Cooperação entre cinetistas e governo tem que avançar, diz Mercedes Bustamante

“Os instrumentos de política não podem olhar um único fator”, adverte a bióloga Mercedes Bustamante, referência nacional quando o assunto é o bioma Cerrado. A professora da Universidade de Brasília (UnB) é autora dos diagnósticos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês) e Painel Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, sigla em inglês) dentre inúmeros outros documentos globais e nacionais. Bustamante também tem experiência como gestora no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e Ministério da Educação (MEC). Atualmente é uma das coordenadoras da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos.

A trajetória entre cientistas e tomadores de decisão fez Mercedes ter um olhar diferenciado sobre as relações entre conhecimento científico e política. Bustamante defende que quando problemas ambientais atingem escala global, como mudanças climáticas ou o declínio global da biodiversidade, a cooperação em múltiplas dimensões tem quem avançar para o enfrentamento destas questões. E, segundo a especialista, as plataformas possibilitam a criação de uma atmosfera positiva entre cientistas e tomadores de decisão.

Na elaboração do 1º Diagnóstico de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, que está sendo produzido pela BPBES, Bustamante coordena juntamente com Jean Paul Metzger (USP) o capítulo que se debruça sobre as tendências e impactos dos vetores de degradação e restauração da biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

Os vetores de mudança analisados são os fatores que levam às transformações que afetam a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos de forma direta, tal como a poluição; ou indireta, por exemplo, política de incentivos à exportação de determinados produtos agrícolas. Mercedes explica que estes vetores, em geral, ocorrem de forma combinada e com interações complexas. Para desenhar e elaborar políticas, é fundamental entender como estes vetores se inter-relacionam, caso contrário, não se atingirá os resultados pretendidos.

A entrevista na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *